domingo, 14 de maio de 2017

ENTREVISTA EXCLUSIVA COM O DOUTOR GUSTAVO SAFE: DE BELO HORIZONTE A SÃO PAULO!!

 Foto: arquivo pessoal

Hoje o A Endometriose e Eu apresenta aos leitores o doutor Gustavo Safe, nosso novo parceiro. Com 20 anos de experiência no atendimento humanizado às endomulheres, em Belo Horizonte, e terceira geração de ginecologista e obstetra da família, ele conta o que o levou a estudar a endometriose ainda nos anos 1990, fala do pioneirismo em fundar o primeiro centro especializado na doença no Brasil, que anos depois o fez inaugurar o Centro Avançado em Endometriose e Preservação da Fertilidade (CAE), referência em tratamento humanizado e multidisciplinar na capital mineira, e seu novo desafio: desde fevereiro ele faz parte do corpo clínico do Hospital Israelita Albert Einstein, em São Paulo.Uma vez ao mês ele viaja da capital mineira para a paulista para dar expediente em seu consultório no hospital. 

Nesta entrevista exclusiva para o A Endometriose e Eu, o doutor Gustavo fala também do privilégio de trabalhar com seu pai, doutor Jorge Safe, sua grande inspiração, do real papel do ginecologista, da importância do apoio da família para o sucesso do tratamento e o que o motivou a levar a EndoMarcha para Belo Horizonte em 2016 - quando ele e sua equipe coordenaram a caminhada, passando em 2017 a coordenação para nossa querida Kelly. A entrevista está fantástica e após editá-la tive a certeza que quando o médico é humano a gente reconhece-o já nas palavras. Beijo carinhoso! Caroline Salazar

A Endo e Eu: O senhor já está há 20 anos atendendo mulheres com endometriose. O que levou o senhor a estudar a endometriose no fim dos anos 1990?

Doutor Gustavo Safe: Comecei o interesse pela endometriose assim que entrei na faculdade, no inicio dos anos 1990, influenciado pelo meu pai, Jorge Safe, que além de estudioso da endometriose foi responsável pela realização das primeiras microcirurgias de endometriose no Brasil. Me formei na FCMMG (Faculdade de Ciências Medicas de MG) em 1997, iniciando assim oficialmente a abordagem das mulheres com endometriose atendendo no primeiro Centro de Endometriose do país (como sócio fundador - CENDO), localizado em Belo Horizonte.

A Endo e Eu: O doutor é a terceira geração de uma família tradicional de ginecologistas e obstetras. Como surgiu sua paixão para cuidar da saúde da mulher? Algum de seus avós ou seu pai te influenciou?

Doutor Gustavo Safe: Tenho certeza que somos influenciados positivamente pelos nossos antepassados, (pais e avós) que foram verdadeiros médicos na essência da palavra. Sempre atenderam pacientes com a atenção e competência necessárias. Este exemplo incentiva e mostra o quão gratificante é poder fazer medicina com paixão atendendo e cuidando da saúde da mulher. Ser a terceira geração de ginecologistas e obstetras trouxe desafios e responsabilidade com possibilidade de trabalhar junto ao meu pai, Jorge Safe!

A Endo e Eu: Qual o principal papel do ginecologista em sua opinião?

Doutor Gustavo Safe: Ser ginecologista é ter a oportunidade de cuidar da mulher, que é única e especial. A endometriose é considerada enigmática e complexa e acomete um grande número de mulheres. A possibilidade de cuidar da endometriose, que repercute negativamente nas famílias e na vida das brasileiras, me incentiva ainda mais a exercer este papel de ginecologista. Promover saúde é garantir que pilares básicos da saúde da mulher sejam garantidos. E deve ser objetivo de todo ginecologista garantir a qualidade de vida de sua paciente.

A Endo e Eu: Como surgiu a formação do Centro Avançado de Endometriose na capital mineira?

Doutor Gustavo Safe: Com minha ida para a Bélgica no ano 2000, o CENDO acabou sendo interrompido. Com a minha volta em 2003, o sonho de reativá-lo continuava, mas os atendimentos eram realizados em consultório privado. Em 2011, durante o Congresso Mundial de Endometriose em Montpellier, na França, percebi um movimento em direção à necessidade de criar centros de excelência em endometriose. Em 2014 decidi fundar o Centro Avançado de Endometriose (CAE) com objetivo de oferecer às portadoras atendimento diferenciado, humanizado e multidisciplinar com capacidade de oferecer atendimento alta complexidade (Reprodução Humana,  cirurgia, tratamento clínico, fisioterápico, exames específicos de imagem...)

A Endo e Eu:  O doutor é um médico e cirurgião conceituado em Belo Horizonte, Minas Gerais, o que te motivou a atender em São Paulo?

Doutor Gustavo Safe: Sou uma pessoa que gosta de desafios e acredito que as oportunidades quando aparecem devem ser avaliadas e agarradas. Quando voltei da Bélgica em 2003, poderia ter ficado em São Paulo, mas a vontade de voltar a Belo Horizonte e trabalhar com meu pai eram meus maiores desejos. Uma nova oportunidade apareceu mais tarde em 2007, mas eu estava apenas começando a minha caminhada em Belo Horizonte com muitos desafios ainda por vir. Quando recebi o convite e visita dos membros do Hospital Israelita Albert Einstein em fevereiro de 2016, eu percebi que este novo desafio traria crescimento pessoal e profissional. Me preparei para que em janeiro deste ano (2017) eu pudesse dar início a esta empreitada e atender adequadamente as mulheres de São Paulo com a excelência que elas merecem.

Recebo paciente de todo o Brasil em Belo Horizonte, que poderiam ser direcionadas a capital paulista, maior centro médico do Brasil com uma das maiores instituições hospitalares, o Hospital Israelita Albert Einstein. Além disto, tenho família em São Paulo o que favorece ainda toda a minha logística de idas e vindas com possibilidade de curtir a capital paulista.

A Endo e Eu:  Como é trabalhar com seu pai Dr Jorge Safe?

Doutor Gustavo Safe: Um sonho realizado. A oportunidade de dividir com ele o tratamento das pacientes com endometriose através de duas gerações e duas formas de pensar é magico. Com certeza quem sai ganhando é a paciente que tem 70 anos (50+20, somando a experiência de meu pai mais a minha) de experiência associado.

A Endo e Eu: Quando o senhor começou seu pai já era referência na área. Como foi e quais os desafios que enfrentou para construir sua carreira independente do seu pai?

Doutor Gustavo Safe: O fato de ter um pai referência e especialista em endometriose foi muito importante, mas precisei, após formação e residência médica em Belo Horizonte, traçar meu caminho. Fui para Bélgica fazer uma pós-graduação com duração de três anos em um dos maiores serviços de cirurgia minimamente invasiva e endometriose do mundo (serviço professor Donnez). Sabia que precisava criar minha identidade e absorver uma nova e mais moderna visão do tratamento da endometriose. O volume de pacientes lá e o volume do meu pai - no meu retorno - foi fundamental para aprender e colocar em prática todos os ensinamentos e as técnicas adquiridas.

A Endo e Eu: O que te motivou a começar a atender no consultório do Hospital Albert Einstein na capital paulista?

Doutor Gustavo Safe: Quando recebi o convite e visita dos membros do Hospital Israelita Albert Einstein em fevereiro de 2016, em Belo Horizonte, eu encarei como um grande desafio que uma vez bem planejado teria tudo para dar certo. Mais uma vez a vida estava me dando à oportunidade de estar atualizado e conectado com o que existe de mais moderno no mundo.

A Endo e Eu: Quais os desafios desta nova jornada?

Doutor Gustavo Safe: O principal desafio acredito ser a possibilidade de trabalhar em um hospital de ponta seguindo as regras e protocolos estabelecidos neste mundo cada vez mais globalizado e cheio de mudanças rápidas.

Persiste ainda desafio de atender as portadoras de endometriose com excelência que elas merecem!

A Endo e Eu: Além de seu consultório e do Centro Avançado de Endometriose e Preservação da Fertilidade, o senhor também atende no Hospital Madre Tereza, em Belo Horizonte. Como mantém a tripla jornada?

Doutor Gustavo Safe: A jornada é bem maior que parece (risos). Felizmente quando ainda se é jovem e faz aquilo que gosta acabamos conseguindo. Tenho apoio da minha família e uma equipe fantástica trabalhando junto coordenada pela minha irmã gêmea, Sofia (administradora), que administra o CAE e minha vida profissional. Desta forma consigo ainda coordenar uma pós-graduação de cirurgia avançada (laparoscopia – FCMMG), dar aula de simulação em ginecologia para alunos da Faminas e ser membro da equipe de cirurgia do Hospital Regional de Betim, onde sou cirurgião e preceptor de residência em ginecologia e obstetrícia.

A Endo e Eu:  O senhor também é especialista em reprodução humana. Qual (is) sua (s)dica (s) para a mulher preservar sua fertilidade?

Doutor Gustavo Safe: Quando trabalhamos com infertilidade percebemos que o mais importante é a idade!! Sendo assim, as mulheres precisam entender que mesmo com os avanços da medicina reprodutiva a idade continua sendo a grande vilã. Por isso precisam tentar viabilizar a maternidade antes dos 35 anos. Esta questão deve ser ainda mais valorizada quando se trata de uma mulher com endometriose.

A Endo e Eu: Em 2015 o senhor e sua equipe realizaram a primeira cirurgia de histerectomia total laparoscópica 3D de Minas Gerais. Qual a vantagem desta cirurgia em relação à tradicional?

Doutor Gustavo Safe: Hoje temos o privilégio de trabalhar no PHD Pace Hospital, que oferece esta tecnologia que devolve ao cirurgião a possibilidade de realizar cirurgias em três dimensões como na robótica, e não em duas como na laparoscopia tradicional.  Temos mais segurança e menor tempo cirúrgico na realização não só da histerectomia, mas também nas cirurgias avançadas endometriose.

A Endo e Eu: Existe um enorme impacto para o casal e para a família quando a mulher é acometida por essa doença. Qual a importância que o doutor atribui à participação do homem nessa terrível jornada que é a endometriose?

Doutor Gustavo Safe: Os familiares homens (irmãos, filhos e marido) precisam apoiar as portadoras de endometriose que vivem uma sobrecarga grande, muitas vezes, duradouras e impactantes na qualidade de vida daqueles com quem convive.  Portadoras que tem este apoio apresentam mais equilíbrio e possibilidades de voltar à vida normal, de serem curadas!

A Endo e Eu:  Em 2015 o senhor entrou em contato conosco para levar a EndoMarcha 2016 para Belo Horizonte. O que te levou a ter esta ideia?

Doutor Gustavo Safe: Acreditei e me identifiquei com a iniciativa da EndoMarcha de divulgar a endometriose , doença impactante mas mal compreendida devido as suas varias nuancias e tabus.
Percebo que a portadora de endometriose tem papel fundamental na disseminação do conhecimento e por incrível que pareça no diagnostico.

A Endo e Eu: Desde os países mais desenvolvidos até aos mais modestos, mulheres de todo o mundo lutam para entender esse flagelo e para conseguir que os seus governos reconheçam a doença, implementando políticas de tratamento humanas e acessíveis a qualquer cidadã. Essa marcha tem vindo a unir essas vozes que nesse evento se juntam em coro. Hoje já verificamos que existem mais pessoas familiarizadas com o nome da doença. Esse movimento do povo para o povo, que importância tem em sua opinião?

Doutor Gustavo Safe: Uma vez que mostramos o impacto de endometriose na sociedade, nas famílias, na economia e, principalmente, na vida da mulher que apresenta dores incapacitantes e infertilidade, temos condições de conscientizar o governo, os planos de saúde e os médicos de que com uma abordagem correta a endometriose tem cura!

A Endo e Eu: Por ser uma doença que não é visível exteriormente, muitas pessoas não acreditam no sofrimento das portadoras. Muitas vezes somos xingadas de toxicodependentes quando pedimos analgésico forte, ou de folgadas porque não conseguimos levantar da cama para fazer tarefa doméstica ou ir trabalhar. Isso gera muita frustração e desgosto, que um pouco por todo o mundo levou à utilização das redes sociais para criar blogs e grupos onde as portadoras se ajudam e podem desabafar. Muitas delas resistem ao suicídio através desses grupos. Enquanto cirurgião é importante que elas tenham essas âncoras emocionais?

Doutor Gustavo Safe: Cada vez mais este suporte tem ajudado as mulheres acometidas pela doença a entender o que acontece com elas, além de ajudar a encontrar especialistas, compartilhar tratamentos e divulgar conhecimento e informações importantes.

 Sobre o doutor Gustavo Safe:

Doutor Gustavo Safe é médico ginecologista e obstetra especializado em cirurgia minimamente invasiva, com enfoque na área da endoscopia ginecológica, endometriose, dor pélvica crônica e reprodução humana. É a 3ª geração de ginecologista e obstetra, seguindo os passos de seus dois avós e de seu pai, Jorge Safe, na arte de cuidar da mulher. É coordenador científico de laboratório prático no programa de pós-graduação da FCMMG de Laparoscopia. É pós-graduado em endometriose pela Universidade Católica de Louvain, Clinique Saint Luc, serviço professor Donnez. Mestre em Ciências da Saúde  com tese endometriose no Centro universitário Caratinga- MG. 

Atualmente é presidente da SOBENGE – Sociedade Brasileira de Endoscopia Ginecológica e Endometriose -, diretor técnico do Centro Avançado de Endometriose, em Belo Horizonte, e membro efetivo do corpo clínico do Hospital Madre Teresa e do Hospital Israelita Albert Einstein e integra a equipe de cirurgia do Hospital Regional de Betim.

Um comentário:

  1. Impossivel ler essa entrevista e não compartilhar minha parceira de sucesso com o Dr. Gustavo! Fui uma de suas primeiras pacientes e cheguei até ele em busca de uma solução para as cólicas insuportáveis, fluxo intenso...
    Depois de passar por uma cirurgia bariátrica, ele foi o único profissional capacitado que me orientou e me acompanhou nesse processo! Me casei e as cólicas, desconforto ao ter relação continuavam e o tão sonhado plano de aumentar a família não acontecia! Passei por uma cirurgia investigativa, me tratei sempre sob os cuidados do Dr. Gustavo! Ele sempre incentivando cuidar da saúde no sentido amplo da palavra e depois de 04 anos engravidei, de maneira natural da nossa primeira filha! Dr. Gustavo mesmo à distância ( eu morava no Maranhao nessa época) fez todo o meu pre natal. Fui para BH quando estava com 30 semanas tendo contração e mais uma fez o lado humano dele me acalmou e juntos conseguimos "segurar" a Manuela por mais 04 semanas! Ela nasceu forte e saudável mesmo sendo prematura! Quando a Manu tinha 11 meses engravidei novamente da nossa linda Rafaela e por já ter feito bariátrica a anemia piorou durante a gestação e graças ao Dr. Gustavo, que por conhecer todo o meu histórico, o pior não aconteceu! Quando vários médicos disseram que eu não conseguiria engravidar, o Dr. Gustavo apostou e cuidou para que hoje eu tenha à família que tanto desejei! Ter um bom médico, um acompanhamento de excelência e humanitário, faz toda a diferença!

    ResponderExcluir